+

Folder
digital

Notícia

 

01/10/2019
Produtores valorizam eficiência e as áreas disponíveis próximas ao Porto do Itaqui

Privilegiado pela localização geográfica em relação à Europa e à costa leste dos Estados Unidos, o Porto do Itaqui, no Maranhão, está entre os portos públicos que mais crescem no Brasil e dispõe de extensas áreas para implantação de empreendimentos relacionados ao transporte de cargas. As vantagens competitivas do Itaqui foram ressaltadas no Fórum “Pulse e Grãos Especiais no Corredor Centro Norte”, realizado na última semana na capital São Luís, por iniciativa da Agência de Desenvolvimento dos Produtores do Tocantins Araguaia (Apamara) e que contou com o apoio da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (Fiema).

O encontro reuniu mais de 50 players do setor de agronegócio de todas as regiões do País na capital maranhense para apresentação e discussão das possibilidades de escoamento de grãos conteinerizados no Corredor Centro Norte, entre eles, soja não transgênica, gergelim, algodão, milho de pipoca, grão de bico e feijões. Ao redor do porto há muitas áreas disponíveis para a instalação de unidades fabris, indústrias, armazenamento e condomínios logísticos com acessos privilegiados aos portos do estado, incluindo os terminais privados, e ao distrito industrial da capital São Luís.

De acordo com o promotor do evento, Alexandre Lobo, presidente da Apamara, o objetivo do Fórum, de aproximar grandes compradores do porto maranhense, se cumpriu. “Estamos buscando, no Maranhão, alternativas para melhorar a logística no Corredor Centro Norte. Soubemos que o Porto do Itaqui vai voltar a operar cargas conteinerizadas, e temos uma grande produção de grãos especiais e pulse que já sai do país em contêineres, porém, por um caminho mais longo, por Paranaguá, quando poderiam estar saindo pelo Itaqui, para os destinos internacionais”, destacou.

Fonte: Portos e Navios

voltar