+

Folder
digital

Notícia

 

07/01/2019
Terminal de Ponta da Madeira: 30 anos de uma história sem limites
Inaugurado em 1986, o Terminal Marítimo de Ponta da Madeira é uma das principais estruturas portuárias do país, está localizado na cidade de São Luís, capital do Maranhão e se prepara para ser o maior porto em operação no mundo

Líder no ranking de movimentação de carga no país, o Terminal Marítimo de Ponta da Madeira, operado pela Vale em São Luís, capital do Estado do Maranhão, acaba de completar 30 anos de operação, no último dia 6 de janeiro, preparando-se para ser o maior porto do mundo neste ano que nem bem começou e os embarques de gigantes já fazem parte da realidade do principal terminal portuário do Complexo maranhense. O Terminal Portuário de Ponta da Madeira surpreende pelo tamanho: ocupa uma área de 600 mil m², o equivalente a três vezes e meia a área do estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro. Entre janeiro e dezembro do ano de 2018 movimentou quase 200 milhões de toneladas.

Esse aumento de produção é o resultados das ampliações de todas as suas variáveis – pátio, esteiras, minas e ferrovia -, de acordo com o pré estabelecido no projeto S11D, do qual far parte, também, Canaã dos Carajás (PA), considerado o maior na área de minério de ferro em construção no mundo. O S11D vai agregar 90 milhões de toneladas à produção do chamado Sistema Norte, que inclui as minas do Complexo de Carajás. Hoje, a capacidade de embarque do TMPM é de 200 milhões de toneladas/ano, mas, em 2019, deverá ser ampliada para 230 milhões de toneladas. Este patamar de movimentação, porém, tem sido possível graças aos investimentos paralelos ao portos. Na parte logística do projeto S11D, do qual faz parte a ampliação do porto, está um ramal ferroviário, com 101 quilômetros de extensão, e a expansão da Estrada de Ferro Carajás (EFC), hoje praticamente duplicada em função de novos pátios de manobras e viadutos em toda extensão da ferrovia Carajás.

O projeto que daria início ao Terminal Marítimo de Ponta da Madeira começou na década de 80, sendo o último braço do Projeto Ferro Carajás. Mina, ferrovia e porto se completavam naquele que se consolidaria como um dos mais importantes complexos minerários do mundo. A Baía de São Marcos, em São Luís, foi escolhida para receber o escoamento da produção mineral de Carajás pelo aspecto técnico: apresentava maior largura e profundidade adequada para receber os navios graneleiros de até 280 mil toneladas e um canal de acesso natural que permitiria o tráfego simultâneo, em ambos os sentidos, de navios de grande porte. Além disso, contava a favor a boa visibilidade, pois a região encontrava-se fora de qualquer rota de tempestades, o que permitia a operação durante todo o ano.

Os testes de carregamento se iniciaram em 1985. As primeiras 127 mil toneladas de minério foram carregadas pelo navio Docepolo. Em 6 de janeiro de 1986, o terminal entrou em operação regular, ano em que embarcou 11,6 milhões de toneladas de minério de ferro. O primeiro número expressivo do porto de Ponta da Madeira veio dois anos depois de entrar em operação, alcançando a marca de 30 milhões de toneladas embarcadas em um único ano.

Ano após ano, o Sistema Norte mostrava-se fundamental para o alcance dos objetivos da então Companhia Vale do Rio Doce. Em março de 1994, o Píer II foi inaugurado, apresentando-se como um impulso determinante para novos recordes de desempenho do Sistema Norte. O terminal passava a movimentar 15 tipos diferentes de cargas, incluindo vários produtos de minério de ferro e granulados, até gusa e soja. O novo Píer alavancou o potencial local de escoamento do porto, permitindo a ampliação do portfólio de produtos exportados.

Em 2007, o terminal ultrapassava o volume acumulado de 1 bilhão de toneladas movimentadas desde o início de sua operação. Quatro anos depois, o TMPM viveria mais um momento histórico com a primeira atracação de um navio Valemax, carregando 391 mil toneladas de minério de ferro com destino ao porto de Dalian, na China. Uma nova fase será estabelecida na trajetória do Porto Norte. Com a finalização das obras do Projeto S11D, Ponta da Madeira passará a ter capacidade de embarque para 230 milhões de toneladas ao ano, transformando-se no maior porto do mundo. Entre as inovações tecnológicas do projeto, está o uso da maior empilhadeira de minério de ferro do mundo.

A máquina tem capacidade para empilhar 20.000 toneladas por hora, possui 37 metros de altura (equivalente a um prédio de 12 andares) e pesa 1.800 toneladas (o que equivale a 300 elefantes). Sua operação é realizada de forma remota, por meio do Centro de Controle Operacional do Porto, localizado a aproximadamente três quilômetros de distância do pátio de estocagem de minério, onde a máquina se encontra. Além de maior produtividade, o automatismo dos equipamentos traz ganhos intangíveis para a segurança e saúde dos futuros operadores.

Outro grande destaque é o Píer IV, que iniciou a operação de seu primeiro berço, o Sul, em dezembro de 2012. O berço Norte segue em construção e ainda este ano iniciará a operação assistida. A construção do Berço Sul, já concluída, permite uma autonomia de embarque para 230 milhões de toneladas por ano.

O VALE BRASIL - O maior navio mineraleiro do mundo, o Vale Brasil, encomenda da Vale a um estaleiro sul-coreano para melhorar a competitividade do minério de ferro brasileiro no mercado mundial, partiu no dia 24 de maio de 2011 para sua primeira viagem, rumo à China. O gigante zarpou com uma carga de 400 mil toneladas da commodity do porto de São Luís, no Maranhão, e um seleto grupo de práticos diversos portos do Brasil esteve a bordo para conhecer o navio. Com mais de 360 metros de comprimento e 65 de largura, o Vale Brasil é o primeiro de uma frota de sete navios encomendados, a um valor total de US$ 748 milhões e representa a esperança da Vale na diminuição dos custos e do impacto ambiental do transporte de minério de ferro.

O Vale Brasil precisou de cinco rebocadores para atracar no porto de São Luís, em uma operação que durou cinco horas. “A costa do Maranhão tem uma das marés mais fortes do mundo, com amplitude que costuma bater os sete metros. No entanto, a atracação do Vale Brasil ocorreu numa maré de quatro metros, com correntes de três a quatro nós, configurando-se num cenário natural menos turbulento”, conta José Roberto Taranto, presidente da Associação dos Práticos do Estado do Maranhão.

O FUTURO CHEGOU ANTES - Uma sexta-feira 13, de janeiro de 2017, foi mais um dia para ficar marcado na história da Vale e do Terminal Marítimo de Ponta da Madeira. Nessa data foi realizado, em São Luís, o primeiro carregamento de minério proveniente do Complexo S11D Elizer Batista, em Canaã dos Carajás. Três navios receberam a carga, que totalizou mais de 26 mil toneladas de minério de ferro do S11D. No berço Sul do Píer IV, o navio Berge Neblina partiu com destino à China com 15.600 toneladas do S11D. Já no Píer III, a nova mina foi a origem de 9.675 toneladas embarcadas no navio Q Kennedy, rumo à Espanha, e 1.216 toneladas no navio Evgenia, com destino à Inglaterra. O restante da carga embarcada nos navios foi proveniente das minas de Carajás.

CRONOLOGIA DO TERMINAL DE PONTA DA MADEIRA

1) Janeiro de 1986 – Conclusão do primeiro carregamento. O navio de bandeira brasileira, Docepolo foi carregado com 127 mil toneladas de minério de ferro. Neste ano foram embarcadas 11 milhões de toneladas pelo terminal.

2) Janeiro 1987- Primeira atracação do Navio Berge Stahl em Ponta da Madeira, na época o maior mineraleiro do mundo.

3) Março de 1994 – Inauguração do Píer II, com o carregamento do navio de bandeira de Comoros, Anangel Splendour.

4) Junho de 2004 – Primeiro carregamento realizado no Píer III, foi feito no navio Panamenho Hua Shan Hai, com destino a França.

5) 2007 – Ponta da Madeira alcança o marco de 1 bilhão de toneladas movimentadas desde o início de sua operação.

6) Maio 2011- O Navio Vale Brasil é o primeiro Valemax a atracar em Ponta da Madeira. Foram carregados 391 mil toneladas de minério com destino a China.

7) Agosto de 2013 – São realizados os primeiros carregamentos no Píer IV. O navio Shagang Giant foi o primeiro a ser carregado completamente, levando 284 mil toneladas, com destino a China. No mesmo mês, o navio Vale Caofeidian foi o primeiro Valemax a atracar no novo píer, sendo carregado com 396 mil toneladas.

8) Dezembro de 2014 - O Terminal Marítimo de Ponta da Madeira se torna o maior porto do Brasil em volume de carga movimentada, fechando o ano com 112 milhões de toneladas embarcadas, ultrapassando assim o Porto de Tubarão e de Santos.

9) Hoje - Com o fim das obras de expansão, o Porto de Ponta da Madeira atinge capacidade de embarque de 230 milhões de toneladas de minério.

CURIOSIDADADES DO TERMINAL DE PONTA DA MADEIRA

• O Terminal Marítimo de Ponta da Madeira encontra-se localizado no Complexo Portuário de Itaqui, à margem leste da Bahia de São Marcos, na Ilha de São Luis (MA). Por ele são embarcados produtos como minério de ferro, pelotas, manganês e concentrado de cobre.

• Ponta da Madeira possui três píeres com 4 berços em operação. O mais novo deles, o Píer IV, tem 25 metros de profundidade, ponte de acesso de 1,6 quilômetros e dois berços - o Sul, já em operação, e o Norte, em construção.

• Em 1985 iniciaram-se os testes de carregamento com o navio Docepolo, envolvendo 127 mil toneladas de minério. O TMPM entrou em operação regular em janeiro de 1986. Nesse ano foram embarcados 11,6 milhões de toneladas de minério de ferro.

• A Vale desenvolveu um sistema que permite operar, de forma remota, as máquinas empilhadeiras e recuperadoras usadas para transferir o minério do pátio até o navio. O sistema possibilita o comando à distância das máquinas a partir do Centro de Controle e Operações do Porto.

• O TMPM utiliza modelos matemáticos avançados para simular o comportamento de atracação dos navios nos píeres, prevendo a velocidade dos ventos, as correntes, a profundidade, entre outras situações. A Vale mantém um modelo reduzido do terminal portuário na sede da Universidade de São Paulo (USP), onde acontecem as simulações de correntes marítimas e marés e seus efeitos sobre os navios em manobras e atracados nos píeres, além de permitir simular as manobras de atracação e desatracação dos navios.

• O treinamento dos operadores das máquinas de pátio é feito em simuladores que recriam essas atividades dentro de uma cabine totalmente adaptada e um software que simula as atividades portuárias. Na prática, a tecnologia funciona com a utilização de monitores que exibem imagens de animação em 3D capaz de simular situações adversas, a exemplo de dias chuvosos e pouca visibilidade provocada pela ausência de luz natural.


• O navio Berg Sthal que Poe décadas reinou como o grande gigante das atividades portuárias do Maranhao, só foi superado após a chegada dos chamados valemax. Estes, com 400 mil toneladas de capacidade de carga, superaram em quase 50 mil o volume de minério que o Berge Stahl recebia em seus dez porões que era 360 mil toneladas. Em mais de duas décadas operando entre Ponta da Madeira e Roterdã, uma única vez – no ano de 1994 – por causa do acidente com o Trade Daring que interditou Ponta da Madeira por quase 3º dias, o gigante norueguês foi carregado no porto de Tubarão.

Fonte: PortosMA

voltar