+

Folder
digital

Notícia

 

08/06/2020
Plano de retomada da economia cearense: veja o que funciona a partir de hoje, 8

A primeira fase da retomada da economia cearense tem gerado expectativa nos setores do comércio, indústria e serviços. Nesse sentido, de acordo com o decreto divulgado pelo governador Camilo Santana, além das métricas já traçadas com a Secretaria da Saúde, nesta segunda, 8, a atividade economia do Estado ocorrerá de maneira gradual.

Está liberado o atendimento cartorário presencial para os serviços extrajudiciais: notas, registro de imóveis, registro de títulos e documentos e pessoas jurídicas. Até o momento, o Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) ainda não se posicionou sobre a possibilidade da volta ao atendimento presencial nos cartórios do Estado  para o público em geral. No Ceará, a Corregedoria-Geral do TJCE é responsável por disciplinar o funcionamento das atividades cartorárias.

Também na primeira leva, excluindo a chamada “etapa de transição”, os shopping centers passarão a funcionar de 12h às 20h, de segunda a domingo, de acordo com o horário de funcionamento das atividades liberadas. O fluxo de pessoas deverá ser reduzindo, sendo permitido apenas 30% da movimentação do shopping – considerando a capacidade do local.  “A restrição ao horário de funcionalmente passa a vigorar exclusivamente para os estabelecimentos situados no município de Fortaleza”, destaca o decreto.

Os empreendimentos seguirão algumas regras, como disponibilizar álcool em gel em áreas comuns (praça de alimentação, corredores, etc) . No Iguatemi, haverá aferição de temperatura dos clientes feita por equipe especializada, indicação de fluxo de entrada e saída com marcações de piso, demarcação de piso com distanciamento regulamentado de 2 metros e cartazes com orientações sobre a COVID-19.

Os shoppings RioMar Papicu e RioMar Fortaleza, seguindo a linha de biossegurança, também adotaram o espaço de uma vaga por carro, mantendo assim o distanciamento entre os frequentadores.

Vale lembrar que a fase 1 vai de 8 até 26 de junho. A fase 2 segue de 22 de junho a 5 de julho. A fase 3 vai 6 a 19 de julho. Por fim, a fase 4, a partir de de julho.

O governador Camilo Santana, assim como o titular da Saúde, Dr. Cabeto, realizarão avaliações periódicas para constatar o avanço de cada fase. “Este plano foi construído, mas para o início de qualquer fase deste plano não há data determinada para início. Qualquer início de qualquer fase vai depender dos indicadores de saúde”, declarou Camilo Santana no último dia 1º de junho.

Na primeira fase, serão ampliadas atividades que já estavam operando na chamada “etapa de transição”.  Antes, trabalham de 20% a 40% da capacidade.

São elas: Indústria de químicos inorgânicos, plástico, borracha, solventes, celuloses e papel; fabricação de calçados e produtos de couro; Fabricação de ferramentas, máquinas, tubos de aço usinagem, tornearia e solda e comércio atacadista; recuperação de materiais (saneamento e reciclagem); Construção para barragens e estações de energia elétrica, geradores (energia); construção civil; indústria têxtil, confecções e de redes; impressão de livros, material publicitário e serviços de acabamento gráfico; indústria de artigos de escritório e manutenção industrial; cabeleireiros, manicures e barbearias; obras de irrigação; fabricação de móveis e de madeira; Metrofor (exceto Cariri e Sobral), transporte rodoviário metropolitano na RMF e manutenção de bicicletas; fabricação de equipamentos de informática; indústria de veículos, de transporte e peças; comércio médico e ortopédico, óticas, podologia e terapia ocupacional; treinos de atletas de esportes individuais, além dos clubes de futebol participantes da final do Campeonato Cearense.

Na fase 1, alguns setores que estavam entre 20% e 30% de participação, sobem o percentual de abertura em 40%. Outros também se somam, em especial o comércio.

Quem entra no rol: indústria e comércio de têxteis; comércio de livros e revistas; indústria e comércio de artigos e couros e calçados; comércio de artigos de escritório, serviços de manutenção; escritórios de Contabilidade, Auditoria e Direito (máximo 3 trabalhadores por escritório); comércio e indústria de artigos do lar; comércio de bicicletas; comércio de saneantes, livraria, brechós, papelarias, doces e caixões; indústria, comércio e serviços do segmento automotivo; comércio de higiene e cosméticos; fabricação e comércio de aparelhos esportivos, instrumentos e brinquedos.

Fonte: Focus

voltar