+

Folder
digital

Notícia

 

14/04/2020
Covid-19: queda nas exportações e importações da China diminui

A queda nas exportações e importações da China perdeu força em março conforme as fábricas retomaram a produção, mas os embarques devem encolher com força nos próximos meses já que a crise do coronavírus fecha muitas economias e freia uma recuperação no curto prazo.

Os mercados financeiros respiraram aliviados depois que dados da alfândega mostraram nesta terça-feira (14) que as exportações caíram 6,6% em março sobre o ano anterior, melhorando ante a queda de 17,2% em janeiro-fevereiro, com os exportadores correndo para liberar os pedidos em atraso após paralisações forçadas da produção. Economistas projetavam queda de 14% dos embarques em março.

Ainda assim, analistas dizem que o cenário para as exportações e o crescimento em geral da segunda maior economia do mundo permanece fraco já que a pandemia paralisou a atividade empresarial em todo o mundo.

"Os dados acima do esperado do comércio em março não significam que o futuro é tranquilo", disse Zhang Yi, economista-chefe do Zhonghai Shengrong Capital Management.

Zhang espera que os dados do Produto Interno Bruto (PIB) chinês do primeiro trimestre - a serem divulgados na sexta-feira - mostrem contração de 8%, primeira queda trimestral desde ao menos 1992.

Importações recuam
As informações indicaram ainda que as importações recuaram 0,9% sobre o ano anterior, também melhor do que a expectativa de queda de 9,5%, o que a alfândega atribuiu à melhora da demanda doméstica. As importações haviam caído 4% nos dois primeiros meses do ano.

O cenário melhor das importações reflete em parte os embarques que estavam presos nos portos e foram liberados, além da demanda conforme as autoridades aliviaram as restrições.

Entretanto, o consumo doméstico ficou longe de mostrar-se robusto com importações importantes, como de minério de ferro, caindo em março, o que destaca os apertos econômicos externos.

O superávit comercial da China no mês passado ficou em 19,9 bilhões de dólares, contra expectativa de superávit de 18,55 bilhões na pesquisa e déficit de 7,096 bilhões de dólares em janeiro-fevereiro.

Fonte: Época Negócios

voltar