+

Folder
digital

Notícia

 

15/10/2019
Exportação lenta de grãos afeta demanda logística nos EUA

Os transportadores de grãos, em sua maioria, estão experimentando um melhor desempenho do frete ferroviário e taxas mais baixas, devido em grande parte à demanda reduzida no sistema ferroviário. Enquanto isso, as taxas de frete marítimo subiram, apesar da redução das exportações de grãos nos Estados Unidos. E o volume de caminhões, embora não seja principalmente para grãos, variou muito conforme o setor, devido ao excesso de capacidade adicionada em 2018.

"De acordo com dados de desempenho do Surface Transportation Board (STB), o serviço ferroviário melhorou em comparação com o início do ano e os anos anteriores", disse o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) em seu relatório de transporte de grãos. "As ferrovias movimentaram menos grãos em relação ao ano passado, e as taxas no mercado de leilões secundários foram correspondentemente baixas”, completa.

Os embarques ferroviários atingiram o pico em meados de maio e permaneceram abaixo da média desde que, com junho, julho e agosto, queda de 5% em relação aos mesmos meses do ano passado, informou o USDA. No acumulado do ano, as entregas de grãos ferroviários aos portos para exportação totalizaram 277.492 carregamentos até 18 de setembro, queda de 11% em relação ao mesmo período do ano passado, embora as entregas para portos específicos tenham apresentado resultados mistos.

As entregas de grãos ao noroeste do Pacífico com 187.540 cargas caíram 23% em relação ao ano anterior, refletindo a redução das exportações de grãos (principalmente soja) para a China, com remessas para os portos do Atlântico e da costa leste com 13.417 cargas, 9% abaixo, para o Golfo do Texas em 41.949 cargas, um aumento de 10%, e no Golfo do Mississippi, com 34.586 cargas, um aumento de 116%.

Fonte: Agrolink

voltar