+

Folder
digital

Notícia

 

03/01/2019
Pesquisador diz que anúncio da descoberta de corais raros na Costa do Amapá é fraude

Cidades
Pesquisador diz que anúncio da descoberta de corais raros na Costa do Amapá é fraude

Greenpeace teria usado pesquisa forjada para impedir a exploração de petróleo e gás. Estudo motivou o Ibama a indeferir licença ambiental à empresa ganhadora da licitação.
31/12/2018 | 13:47
Diminuir texto | Aumentar texto | imprimir | Comunicar erro
0 comentários
Compartilhe:

Detentor de vários prêmios nacionais e internacional, o pesquisador aposentado da Universidade Federal do Pará (UFPA) Luís Hercílio afirmou em entrevista à imprensa que o anúncio da descoberta de corrais raros em águas profundas na Costa do Amapá é uma fraude articulada pelo Greenpeace para impedir a exploração de petróleo e gás. Segundo ele, o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio-Ambiente) se baseou em um estudo fraudulento para indeferir a licença ambiental requerida pela empresa francesa Total E&P, vencedora da licitação.

Em entrevista concedida a uma emissora de rádio do Pará, que foi veiculada no programa LuizMeloEntrevista (DiárioFM 90,9) nesta segunda-feira (31), o pesquisador garante que não há corais no local apontado pelo Greenpeace, mas sim um amontoando de rochas. “Os corais relatados por essa suposta pesquisa não teriam condições de sobreviver às pressões atmosféricas da região, e existem apenas no Nordeste brasileiro”, destacou.

“A existência desses corais raros é uma informação, digamos, pseudocientífica, porque não é verdadeira; temos pesquisas feitas durante décadas, principalmente da Universidade Federal do Amapá, que fez levantamentos na plataforma continental com equipes da Marinha e outras instituições, que não indicam a presença desses corais; na realidade são rochas fossilizadas que estão lá e ficamos indignados por não entendermos e não aceitarmos que o Ibama tome uma decisão em cima de um trabalho que não tem validade nos meios científicos, em cima de de um trabalho de um pesquisador que não é conhecido e tem apenas trabalhos compilados; isso é absolutamente inaceitável”, ressaltou o pesquisador.

Fonte: Diário do Amapá

voltar