+

Folder
digital

Notícia

 

08/02/2021
Porto de Santos amplia malha ferroviária

O Porto de Santos começou a ampliar sua malha ferroviária na região do Valongo, com a instalação de uma 3ª linha na região. As obras, iniciadas no mês passado, ocorrem nas proximidades dos armazéns 1 a 12, entre os bairros Valongo e Paquetá, na Margem Direita do complexo. Segundo a Portofer, responsável pela obra, as intervenções vão otimizar a entrada e saída dos trens no complexo portuário e ampliar sua capacidade de movimentar cargas férreas.

“É uma obra estruturante que vai otimizar a eficiência do fluxo, colaborando para que o Porto receba maiores volumes pelo modal ferroviário”, informou a empresa em nota.

De acordo com a Portofer, as intervenções fazem parte de um projeto de remodelação das linhas férreas que atendem o corredor de exportação das áreas do Macuco e da Ponta da Praia. O projeto, iniciado em maio do ano passado, tem previsão de conclusão até junho.

Em relação às obras da pera ferroviária em Outeirinhos, outra obra que integra o projeto da Portofer, a empresa disse que “está aguardando posicionamento da Autoridade Portuária de Santos (APS)”. Em nota, a APS afirma que as obras em curso ou planejadas “estão alinhadas com o planejamento estratégico do Porto de Santos”.

De saída?

A malha ferroviária interna do Porto, de responsabilidade da Portofer, tem capacidade para atender 50 milhões de toneladas anuais – volume que logo será insuficiente diante dos investimentos previstos pelo Governo Federal e, ainda, da pretensão das operadoras ferroviárias de movimentar, entre o cais santista e o interior do País, quase 100 milhões de toneladas anuais.

Por conta disso, o Ministério da Infraestrutura e a APS já demonstraram a intenção em rescindir o contrato com a empresa, que tem validade até 2025.

No final do ano passado, foi aberta uma consulta pública que visa firmar um novo contrato para a exploração da malha interna, garantindo R$ 2 bilhões em investimentos. A intenção é que a concessão seja repassada a uma sociedade depPropósito específico (SPE) para a gestão, operação, manutenção e expansão Ferrovia Interna do Porto de Santos (Fips).

Uma possibilidade é que a SPE seja formada pelas operadoras ferroviárias que atendem o cais santista, a MRS (que já demonstrou interesse) e a Rumo Logística (que, assim como a Portofer, faz parte do Grupo Cosan).

Questionada sobre a continuação das obras, se os trabalhos serão impactados devido à abertura de consulta pública e à possibilidade de rescisão, a Portofer informou que “demais investimentos serão tratados no novo modelo de gestão da Fips, que se encontra em fase de audiência pública, sob coordenação da APS”.

E acrescentou: “Todos os investimentos em questão são de extrema importância operacional para o Porto de Santos e os terminais, devendo ser equacionados em qualquer formato de contrato”.

Audiência pública

A APS informou que as obras e os investimentos serão tema de discussão na audiência pública sobre Fips, que será realizada na quarta-feira (10).

Fonte: A Tribuna

voltar