+

Folder
digital

Notícia

 

19/11/2020
APM Terminals registra recordes em Santa Catarina e no Ceará

A APM Terminals Pecém, no Ceará, alcançou dois recordes seguidos neste ano: setembro havia sido o melhor mês do terminal, com mais de 41 mil TEUs. Em outubro, o resultado foi superado, com 46.705 mil TEUs movimentados. No acumulado do ano até outubro, o Terminal de Pecém soma 309.051 mil TEUs, 7,9% acima de 2019.

Já no sul, o Terminal de Itajaí cresceu na casa dois dígitos em 2020, mantendo o ritmo dos últimos três anos. Até outubro, o terminal já havia operado mais de 457 mil TEUs, frente os 403 mil TEUs movimentados no mesmo período de 2019, um aumento de 13,4%.

A previsão é bater a marca de meio milhão de TEUs até dezembro. Assim como em Pecém, o terminal em Itajaí teve um mês com movimentação histórica em outubro, com 53.500 mil TEUs movimentados. No acumulado, de 2017 a 2020, o crescimento da APMT Itajaí passou de 200%.

Consolidação no Nordeste
O crescimento na região Nordeste deve-se à localização do porto para cadeia logística dos armadores e clientes finais, às linhas com navios maiores e com maior capacidade de carregamento, a alta do dólar e a recuperação econômica pelas datas especiais (blackfriday, natal, eventos final do ano).

Os volumes também vieram acompanhados de importantes avanços para APM Terminals Pecém, com o início do recebimento de navios de maior porte. Em agosto, o terminal recebeu o "MSC Shuba B", maior navio a atracar no estado, com 330 metros de comprimento por 48,2 metros de boca. A passagem do navio marcou também o início da temporada da safra de frutas do Ceará.

Uma novidade relevante foi a inauguração pelo Porto do Pecém do berço 10, que elevou a capacidade operacional do terminal portuário. "Ver os nossos guindastes percorrendo os novos trilhos foi um momento marcante para a APM Terminals Pecém. O novo berço 10 traz uma capacidade adicional de 300 metros, colocando o Pecém dentro de um seleto grupo de portos na América Latina que podem acomodar os navios New Panamax Vessels com calados de até 15,30 metros. O novo berço também otimizará o nosso sistema de janelas de atracação, reduzindo o tempo de espera no fundeadouro", pontua Daniel Rose, diretor superintendente da APM Terminals Pecém.

Com tudo, de acordo com o gerente comercial da APMT Pecém, André Magalhães, a recuperação de 2020 foi ainda maior do que imaginado: "Não esperávamos uma recuperação tão forte e tão rápida nesse início de 3º trimestre. A Cabotagem, com as suas seis linhas regulares em Pecém, resistiu bem aos impactos da Covid, consolidando-se como solução logística para a região", afirma.

André destaca também a importância da safra de frutas - como melão, melancia e a uva e manga do Vale de São Francisco - para os mercados de Estados Unidos e Europa como relevantes para os resultados. "Neste ano, crescemenos 17% na exportação de mangas para o EUA e a APMT operou praticamente 70% de todo o mercado de exportação de mangas do Vale de São Franscisco. Com relação ao melão, já estamos movimentando 100% acima do volume de 2020, graças aos navios maiores e ao grande comprometimento dos armadores com os clientes locais, evitando cancelamento de escala", afirma Magalhães.

A exportação reefer registrou um salto de mais de 70% em comparação com mesmo período do ano passado, com mais de 16.800 TEUs operados em 2020, contra 9.900 TEUs em 2019.

Sul em ascensão
Já em Itajaí (SC), a exportação de cargas congeladas e a retomada das importações no segundo semestre ditaram o ritmo do crescimento. Entre os 10 maiores portos do Brasil, a APMT Itajaí foi único com crescimento no sentido da importação, de acordo com o Datamar (dados até agosto).

Enquanto isso, no sentido da exportação, entre os 10 maiores do país, Itajaí ficou entre os quatro que que tiverem aumento, sendo o que apresentou o maior percentual de crescimento, com 21%, segundo ainda o Datamar (dados até agosto).

O terminal de Itajaí celebrou em 2020 a inauguração da bacia de evolução do complexo portuário da região. Com a nova bacia, agora o terminal pode receber navios de ate 350 metros de comprimeto por 48 de boca. A obra coloca Itajaí definitivamente na rota dos navios gigantes que trafegam na costa brasileira. Ainda, com o aumento de movimentação, para melhoria da capacidade operacional, a APMT Itajaí realizou no segundo semestre do ano passado, investimentos em equipamentos de pátio (reach stackers) na ordem de mais de R$ 14 milhões.

Fonte: Portos e Navios

voltar