+

Folder
digital

Notícia

 

19/05/2020
Brasileiros retornam do exterior, pouco a pouco, após o bloqueio de fronteiras

Ao todo, o governo já realizou o retorno de 11.500 pessoas ao país, por meio de voos fretados pelo Ministério da Saúde, da Defesa e do Itamaraty. Já para a América no Sul, um regime de liberação especial nas fronteiras tem sido realizado após negociações, para que, finalmente, os brasileiros sigam viagem a sua cidade de destino, em ônibus como os da Viação Kaissara.

Segundo dados divulgados pelos órgãos responsáveis, existem 6.500 pessoas em 88 países que precisam ser trazidas de volta. A região que ainda abriga mais brasileiros é a Europa, com 2.706 em 17 países. Mas com a recente liberação de voos feita na Espanha, Reino Unido, Itália e Portugal, a tendência é de que os números diminuam rapidamente.

Na América no Norte, existem 247 brasileiros que têm passado por grandes momentos de angústia, pois os voos comerciais continuam cancelados. Apesar da fronteira entre Estados Unidos e México estar aberta, o acesso é restrito somente para residentes ou condições essenciais, como a entrada de mercadorias e serviços.

Enquanto esperam retornar para ao Brasil, algumas pessoas recebem apoio e suporte do país onde estão alocadas. É o caso de Portugal, por exemplo, que auxilia 1.541 brasileiros em questões de moradia e com casos de COVID-19. Com isso, o sistema português tem ficado sobrecarregado, e cresce a necessidade de realizar transferência ao país de origem imediatamente.

Isso porque, além das dificuldades de retornar ao país de origem, os brasileiros também encontram a falta de recursos para se manter em terras estrangeiras, principalmente, em caso de viagens de curta duração. Além disso, alguns tiveram um enorme prejuízo ao adquirir passagens aéreas em voos que foram cancelados em meio a pandemia.

Por isso, o número de solicitações de auxílio financeiro cresce a cada dia, sobretudo, o dos 602 brasileiros que estão alocados na Argentina que, por ser um país que possui fácil acesso pela fronteira terrestre, permitia viagens curtas, sem reserva de recursos financeiros para emergências.

Brasileiros na Venezuela tem dificuldade em retornar ao Brasil

Além dos problemas em relação às moradias, alimentação, abastecimento de água, Internet e energia elétrica, os brasileiros que se encontram na Venezuela são os que mais tem encontrado dificuldades em retornar ao Brasil. Com o cancelamento de voos e o bloqueio das fronteiras, a saída do país tem sido cada vez mais burocrática.

Além disso, com o fechamento da embaixada brasileira na Venezuela, o contato direto com os brasileiros tem sido limitado, sendo preciso uma extensa negociação com o governo venezuelano para a liberação dos aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) entrarem e realizarem o resgate dos brasileiros.

Brasileiros seguem em quarentena após o retorno

Após seguirem todos os protocolos de segurança durante o voo e, finalmente, voltarem ao solo nacional, os recém-chegados ainda precisam lidar com o desafio de ficar mais tempo longe de suas famílias e permanecer em quarentena. Para isso, o governo disponibiliza um local de hospedagem ao viajante, para a permanência de 14 dias.

Esse procedimento é realizado para que a pessoa fique em observação e evite o contágio por coronavírus dos familiares, caso esteja infectada. Após o resultado de testes, e não havendo a aparição dos sintomas, os brasileiros podem, enfim, voltarem para suas famílias em segurança.

Fonte: Portogente

voltar