+

Folder
digital

Notícia

 

09/04/2020
Austrália ordena que todos os navios de cruzeiro estrangeiros saiam de suas águas

Após o que foi caracterizado como uma crise humanitária, com milhares de marítimos e passageiros presos a bordo de navios de cruzeiro nas águas australianas, a Austrália ordenou que todos os navios de cruzeiro estrangeiros saíssem o mais rápido possível.

O país mantém sua posição de não permitir que as tripulações e passageiros desembarquem como parte de sua ação para conter a disseminação do coronavírus em seu território e eliminar o risco de sobrecarregar seu sistema de saúde.

O impasse de três semanas recebeu inúmeros pedidos dos sindicatos ao governo para ajudar a repatriar as equipes estrangeiras afetadas.

No entanto, os pedidos não foram atendidos com entendimento, principalmente devido a inúmeros casos de infecção em Nova Gales do Sul, depois que passageiros de vários navios de cruzeiro foram autorizados a desembarcar no mês passado.

Em vez disso, a polícia de NSW disse que o pessoal médico seria levado para oito navios de cruzeiro transportando 8.500 pessoas para testes de coronavírus e que os infectados seriam removidos da embarcação e levados para um hospital.

Tripulações e passageiros aptos para viajar devem sair. No entanto, não está claro qual seria o mecanismo de execução.

"O Sindicato Marítimo da Austrália e a Federação Internacional de Trabalhadores em Transportes condenam o tratamento brutal de mais de 15.000 tripulantes internacionais de mais de 50 nacionalidades envolvidas no setor de navios de cruzeiro nas águas australianas", disseram os sindicatos.

As atuais viagens de navios de cruzeiro a Sydney ligadas a casos confirmados de COVID-19 incluem o "Ovation of the Seas", com 96 passageiros, o "Voyager of the Seas", com 39 passageiros e 6 tripulantes, o "Celebrity Solstice", com 14 tripulantes, e o "Ruby Princess", com 361 passageiros e 18 tripulantes.replique breitling

Houve seis mortes associadas ao "Ruby Princess".


Fonte: Portos e Navios

voltar