+

Folder
digital

Notícia

 

02/04/2020
Porto de Fortaleza realiza operação para abastecimento do navio Koningsdam

O Porto de Fortaleza realizou nesta quinta-feira (2) uma operação para o abastecimento de alimentos do navio de cruzeiro Koningsdam, que possui 966 tripulantes, sendo um brasileiro. Foram entregues cerca de 50 toneladas de comidas e bebidas. O navio seguiu viagem até o Panamá agora à tarde em um percurso de aproximadamente 5.400 quilômetros via marítima e seis dias de navegação.

Segundo a Companhia Docas, ao todo foram cinco contêineres que vieram de Recife para o Ceará pelo modal terrestre, dos quais três refrigerados e dois secos. De bandeira holandesa, o Koningsdam iniciou a viagem de 44 dias na Flórida em 21 de março, com 2.384 passageiros. Em sua primeira parada no Brasil, encerraria a temporada de cruzeiros do Terminal Marítimo de Passageiros do Porto de Fortaleza no último dia 24 de março. No entanto, a viagem foi interrompida na primeira atracação, no Caribe Oriental, que se deu três dias depois. Os 2.384 turistas desembarcaram no porto de Bridgetown. Os tripulantes continuaram a bordo e com a necessidade de abastecer o navio com alimentos, foi solicitada uma parada no Porto de Fortaleza.

A ação foi realizada pela Companhia Docas do Ceará em conjunto com a Capitania dos Portos, Receita Federal, Polícia Federal, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

A Anvisa, órgão responsável pela fiscalização sanitária de todas as embarcações (cruzeiros e cargas), avaliou toda a documentação solicitada ao comandante sobre o estado de saúde dos tripulantes nos últimos 30 dias, e diante de não existir registro de qualquer tipo de doença e até suspeita quanto à Covid-19, a atracação no Porto de Fortaleza foi liberada sem a necessidade da inspeção in loco.

Segundo o prático Pedro Parente, da Ceará Marine Pilots, para realizar a praticagem, é preciso que os práticos realizem procedimentos de higienização de acordo com as normas de segurança para atracar e desatracar o navio do porto. “Para realizarmos as manobras, usamos equipamento de EPI, mantendo a distância de dois metros, higienizamos as lanchas após as manobras e garantimos que os tripulantes das lanchas também utilizassem equipamentos de segurança”, explicou.


Fonte: O Otimista

voltar