+

Folder
digital

Notícia

 

23/03/2020
Crise do coronavírus e portos sem futuro

Desde os primórdios até hoje em dia, o mercado de produtos e serviços transcendem as fronteiras nacionais e políticas ao redor do mundo, como um fenômeno fascinante.

Analisar a conjuntura portuária do Brasil, fazendo conexão entre políticas e negócios, no meio de uma forte epidemia de coronavírus com preocupantes reflexos sociais e econômicos, implica determinar as ações e prioridades para preservar a capacidade produtiva da economia e o bem-estar dos trabalhadores, construindo pontes convenientes ao comércio internacional. Para, assim, evitar a completa destruição da economia brasileira.

As mídias e redes sociais têm mostrado em profusão as agonias por que passam produtores, empresários e empregados, com a queda das receitas e demissão de trabalhadores. Os socorros prestados, principalmente aos informais, são emergenciais bem necessários, mas insuficientes para superar a privação de renda das famílias. É com o comércio internacional que pode ser encontrada a solução apropriada para melhorar os níveis de vida.

Segundo a Organização Marítima Internacional (IMO), mais de 90% do comércio mundial é realizado por via marítima. Alianças entre operadores e terminais nas 10 principais rotas de navegação aumentaram a movimentação de contêineres de 68% em 2014 para 90% em 2019. Porém, sem um plano robusto e transparente para mobilizar ações e investimentos vitais no comércio global, qualquer reforma dos portos brasileiros não alcançará resultados produtivos, econômicos e sociais possíveis e urgentes. É o que se assiste.

Portanto, as incertezas sobre a reforma dos portos que têm sido demonstradas, a essa altura de tantos acontecimentos complicadores, pelo Secretário Nacional de Portos, Diogo Piloni, anunciam uma perda de oportunidade histórica. Um projeto dessa grandiosidade e que envolve tantos interesses impõe um amplo diálogo, que ainda não aconteceu, com as comunidades portuárias. Assim, recusa incorporar novas realidades e novas ideias, essenciais à construção de modelos inovadores de gestão portuária produtiva, para fomentar negócios e desenvolvimento.

O objetivo do WebSummit Nova Abertura dos Portos, que acontece no Portogente, é debater a estruturação dos portos, visando preservar a capacidade produtiva da economia e o bem-estar da sociedade brasileira. Na prática, está instalado um processo de reflexão consequente. Dessa forma, promove decisões e ações para enfrentar a crise e satisfazer necessidades de seres humanos.

Fonte: Portogente

voltar