+

Folder
digital

Notícia

 

03/03/2020
Economia do Mar no Ceará deve dobrar nos próximos dez anos

A localização e as condições naturais do Ceará favorecem o desenvolvimento de todo o leque de atividades ligadas à Economia do Mar no Estado. O segmento, que inclui desde o setor logístico (com os portos) ao entretenimento e turismo, deve ter atuação dobrada no Estado nos próximos dez anos.

A projeção é feita pelo sócio e líder do Centro de Excelência Global da PricewaterhouseCoopers (PwC) para o Mar, Miguel Marques. Ele revela que o Ceará está tomando a liderança nacional das indústrias do mar. "Acompanhamos o Estado há três anos e o diferencial é que aqui temos todas as atividades relacionadas à economia azul", destaca.

Marques ressalta que outros estados, por suas dimensões, estão à frente do Ceará em um ou outro aspecto, mas que "no seu conjunto, em todas as atividades, o Ceará é líder" no País.

Estudo

Os resultados de cada segmento estão detalhados na terceira edição do Leme Barômetro PwC de Economia do Mar - Ceará, lançado ontem (2) pela Federação das Indústrias do Estado Ceará (Fiec) em parceria com a PwC.

Na passagem de 2017 para 2018, quase todas as atividades relacionadas à economia do mar analisadas apresentaram crescimento no Estado. De acordo com o levantamento, a movimentação anual de contêineres foi a que mais se destacou no período, avançando 26,77% no índice utilizado pela PwC, passando de 106,8 para 135,4 pontos.

Ainda apresentaram variações significativas a extração anual de gás natural (17,65%), a produção de camarão, ostras, vieiras e mexilhões (10,14%), a movimentação anual de navios (9,29%) e a produção anual de aquacultura de peixes (8,86%).
Além das atividades tradicionais, também são levadas em consideração as relacionadas a entretenimento, desporto, turismo e cultura. Entre 2017 e 2018, o número de passageiros em trânsito no Porto do Mucuripe cresceu 0,59%.

Ainda sem dados de 2019 fechados, o levantamento estima o avanço dos três indicadores relacionados a transportes marítimos, portos, logística e expedição: movimentação de mercadorias (em toneladas), de contêineres e de navios.

Marques afirma que, principalmente na fileira alimentar do mar e na área de tecnologias, que inclui os cabos de dados submarinos, o Ceará é líder no País.

"O Brasil aparece no Top 10 com mais ligações de cabos submarinos e o Ceará representa muito. Fortaleza é a segunda cidade do mundo com mais cabos submarinos. O Ceará tem tudo para ter ainda mais sucesso na economia do mar".
Ainda dentro do leque de tecnologias, o representante da PwC lembra da energia eólica renovável offshore - em que as torres eólicas ficam instaladas dentro do mar. "Gostaríamos de incluir as energias renováveis offshore no estudo, dado que o Estado, em terra, já é bastante forte em relação a energias renováveis. Tenho ouvido sobre alguns projetos e estamos na expectativa de os ver na água funcionando. Isso significaria entrar para um clube de vanguarda em energias renováveis offshore e pioneiro a nível nacional".

Investimentos

Marques lembra que um dos objetivos do Leme Barômetro é auxiliar na tomada de decisões de investidores, além de dar mais oportunidades às classes menos privilegiadas.

"Nós acreditamos que sem conhecer bem a realidade é impossível planejar o futuro. Achamos que este é um forte documento para ajudar a tomar decisões de investimento, financiamento, educação, perceber quais indústrias terão maior valor acrescentado no futuro, quais provavelmente irão perder e terão que se transformar".

Ele acrescenta que a partir do desenvolvimento das atividades em conjunto haverá mais oportunidades de empregos com mais formação.

"Isso é o que há de novo, porque o mar, pesca, transporte sempre existiram. O que temos é nova maneira de pensar colocando na mesa todos esses planos. Um porto é importante para as embarcações de pesca, de logística, para cruzeiros, para ligações de cabos submarinos. Ou seja, se a gente pensasse como antigamente, cada indústria de forma isolada, algo se perderia".

O diretor de inovação e tecnologia da Fiec e presidente do Observatório da Indústria, Sampaio Filho, comemora os resultados evidenciados no levantamento e ressalta a importância da iniciativa.
"Existem setores que são da economia do mar, mas não sabem. Para a gente disseminar isso, temos que levar resultados e é exatamente o que esse estudo vem fazer: mostrar para os setores como eles estão inseridos, trabalhar a educação desde os pescadores, dar maior assistência, começar a envolver vários setores mostrando a praticidade", diz.

voltar