+

Folder
digital

Notícia

 

27/02/2020
Xeneta: fretes de longo prazo se mantêm apesar do caos do coronavírus

Atualmente, as taxas de frete marítimo de longo prazo permanecem firmes em meio à crescente preocupação global com o coronavírus, apesar das ramificações generalizadas para o segmento de navios porta-contêineres como um todo. De acordo com o mais recente relatório XSI® Public Indices da Xeneta, que fornece inteligência de mercado exclusiva em tempo real, as taxas aumentaram 0,5% — o quarto mês consecutivo de aumentos. O índice global agora está 6,8% acima do ano anterior e 2,8% acima desde o início de 2020.

Porto em pânico?

"O setor de navegação, como grande parte do resto da sociedade, foi atingido pelo coronavirus", afirma o CEO da Xeneta, Patrik Berglund. “Está operando como uma grande força disruptiva, descarrilhando as cadeias de suprimentos e impactando as exportações e importações em geral. Os relatórios sugerem que os navios que saem da China navegam com taxas de utilização inferiores a 20%, apesar de uma quantidade enorme de tonelagem ter sido removida do mercado. Somente a Maersk informou que havia retirado mais de 50 linhas de portos chineses desde o final de janeiro. Uma quantidade enorme de negócios foi perdida. ”

Ele continua: “Uma gama complexa de fatores — incluindo tempos de quarentena, falta de trabalhadores nos principais portos e em toda a cadeia de suprimentos e restrições de viagens — estão trabalhando como um para perturbar o "status quo", causando sérios problemas para os que dependem do suprimento de mercadorias da China. A incerteza reina suprema, tornando mais essencial do que nunca que as partes interessadas se atualizem com as mais recentes informações de mercado ao discutir contratos de frete marítimo, especialmente porque estamos no período de negociação transpacífica ”.

No mercado à vista, Berglund acrescenta que a plataforma da Xeneta registra uma queda de 20% a 25% desde o início do ano na taxa média do mercado de um contêiner de 40 pés da China ao norte da Europa e da China à costa oeste dos EUA. Ele diz que isso pode ser indicativo de movimentos futuros no mercado de longo prazo, explicando:

"Geralmente, o mercado de longo prazo segue movimentos de preços de curto prazo. Nesse sentido, prevemos que as taxas de longo prazo também começarão a diminuir em março. De fato, já temos alguns relatos de pequenas diminuições nos contratos negociados que entram em nossa plataforma por nossos principais remetentes globais. ”

No entanto, apesar das ondas de choque do vírus, o próprio XSI® manteve sua trajetória ascendente até fevereiro, embora apenas extinga lentamente as memórias de um declínio prolongado nas taxas que se estendeu, quase sem interrupção, do verão de 2018 a outubro de 2019.

A tendência geral para o mês foi positiva, porém mista, com flutuações distintas de região para região. Na Europa, os "benchmarks" de importação e exportação mostraram um desenvolvimento positivo, com as importações subindo 1,8% (um aumento de 7% em relação ao ano anterior) e as exportações subindo 1,5% (um salto de 7,6% em relação a fevereiro de 2019).

No entanto, os dois índices do Extremo Oriente caíram, mas não considerando significativamente a escala da atual crise da saúde (para dar uma perspectiva, um relatório recente da Moody's sugeriu que o número de chamadas portuárias para Xangai e Yangshang caiu 17% em relação ao ano anterior.). As importações do XSI® no Extremo Oriente caíram 1,9%, enquanto as exportações caíram apenas 0,5%. No entanto, ambos os índices estão em alta desde o início de 2020, as importações em 3% e as exportações em 4%.

A situação nos EUA foi de neutra a negativa, com o índice de importação caindo 0,3% e as exportações caindo 1,3%. No entanto, o "benchmark" de importação permanece robusto em relação ao ano anterior — um aumento de cerca de 21%, principalmente devido a um forte desempenho em maio de 2019 — enquanto as exportações aumentaram 6,7% em relação a fevereiro do ano passado.

Fonte: Portos e Navios

 

voltar